Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010

ALÇADA BAPTISTA

 

DA MEMÓRIA…JOSÉ LANÇA-COELHO
 
ANTÓNIO ALÇADA BAPTISTA FUNDA O TEMPO E O MODO
 
 
         A 29 de Janeiro de 1963, António Alçada Baptista, nascido na Covilhã a 29 de Janeiro de 1927, funda a revista de cultura O Tempo e o Modo, da qual foi director na sua primeira fase, até 1969.
         António Alçada Baptista formou-se em advocacia na Faculdade de Direito de Lisboa. Dedicou-se ao jornalismo, tendo sido director do jornal O Dia, e à difusão cultural através da editora Moraes.
         Em 1984 exerceu o cargo de presidente do Instituto Português do Livro.
         A sua produção literária é multifacetada, passando pelo ensaio, crónica, memorialismo e narrativa, tendo como característica principal, a tentativa da transformação do homem e da sociedade por imperativo interior de uma forte vinculação à transcendência, sendo a sua obra mais significativa, Peregrinação Interior.
         Animado por este espírito, António Alçada Baptista funda a revista de cultura O Tempo e o Modo, com um grupo de estudantes universitários que participavam na «Acção Católica». A revista segue o modelo da Esprit, tornando-se um símbolo da geração de 60.
         No dizer de João Bénard da Costa, a grande novidade da revista foi “institucionalizar historicamente o diálogo entre crentes e não-crentes”
         Mário Soares, numa homenagem a António Alçada Baptista confessou que, este último, o convidou, e também a Salgado Zenha, para integrarem o quadro de redactores da revista, ao que Soares terá respondido que era agnóstico. Mesmo assim, os redactores da revista foram a votos, tendo, porém, rezado antes da votação um Pai-Nosso.
         Após a votação, Soares e Zenha foram admitidos nos quadros da revista.
 
DIÁRIO DO ESCRITOR
 
29 de Janeiro de 2009
 
A PRIMEIRA DESILUSÃO
 
Logo que soube que ias à festa,
Passei a noite no desatino do ata, desata.
Apesar de jeitoso não me safei,
Sem pedir ajuda para o nó da gravata.
 
Com a lâmina rapei a pouca barba,
Penteei a trunfa, vesti o domingueiro fato.
E já que por ti pusera a odiada coleira,
Cuspindo, engraxei o bicudo sapato.
 
Os rapazes levavam altas bebidas,
As meninas comida para os tolos.
Ao meu pai surripiei uma garrafa de whisky,
Para te impressionar comprei uma dúzia de bolos.
 
Logo que tocou o primeiro slow,
Fui-te buscar para dançar.
Sentir todo o teu corpo no meu,
Foi tão bom que não deu para acreditar.
 
Disseste ires ao WC no fim do salão,
De mão dada com outro te vi a sair.
Tornaste-te na minha primeira desilusão,
E fizeste-me embebedar até cair.
 
Os rapazes levavam altas bebidas,
As meninas comidas para tolos.
Ao meu pai surripiei uma garrafa de wihsky,
Para te impressionar comprei uma dúzia de bolos.
 
JOSÉ LANÇA-COELHO
 
publicado por cempalavras às 21:57
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. ...

. DIÁRIO IRREGULAR

. ORAÇÃO A DEUS, de VOLTAIR...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2012

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds