Sábado, 10 de Julho de 2010

HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA

DA MEMÓRIA… JOSÉ LANÇA-COELHO

 

MATILDE ROSA ARAÚJO

 

         Conheci pessoalmente Matilde Rosa Araújo em 1979, quando fazia o estágio pedagógico na Escola Luísa Todi, em Setúbal.

         A escritora foi então convidada para ir falar aos alunos, e quem a levou lá, foi o meu colega Eduardo, cuja mãe, licenciada em Românicas, era também metodóloga, e amiga pessoal da escritora.

         Lembra-me que Matilde Rosa Araújo falou sobre a sua actividade de professora com uma extrema simplicidade, e do seu amor às crianças, que, como Fernando Pessoa dizia, são a melhor coisa do mundo.

         Falou, também, e em especial, de um rapaz que conhecera nas suas aulas, e que seguira com toda a sua ternura, ao longo dos anos, até ele se ter tornado um homem.

         Lembra-me, perfeitamente, de me ter impressionado, a bondade expressa pela professora/escritora do modo como falou daquele adolescente, que não lhe era nada familiarmente, mas cuja vida ela seguia como se fosse seu filho.

         Foi uma verdadeira aula de Pedagogia, a palestra que Matilde Rosa Araújo fez naquele dia para seis professores que, naquele ano lectivo de 1978/79, estavam a fazer o estágio pedagógico para se tornarem professores profissionalizados, e não andarem todos os anos com a casa às costas, e isso quando eram colocados, porque muitas vezes, por falta de vaga, isso não acontecia, e ficavam irremediavelmente desempregados.

         Desde esse dia nunca mais vi a escritora, embora continuasse a acompanhar a sua obra literária, uma vez que, poemas e textos da sua autoria, da cerca de vintena de livros que publicou durante a sua vida, continuavam a ser publicados nos diversos manuais que saíam todos os anos.

         Por aquelas ironias da vida, em 1989, realizei um dos grandes sonhos da minha vida – publiquei um livro. Chamava-se O Enigma da Gruta, e contava a história do concelho de Oeiras, com particular enfoque no tempo do Marquês de Pombal, que foi o primeiro conde de Oeiras e também o primeiro-ministro do rei D. José I. Curioso foi o facto da concretização desse sonho, derivar da obtenção do primeiro lugar num concurso literário da Associação Portuguesa de Escritores, cujo júri era formado por Maria Alberta Meneres, José Jorge Letria e, Matilde Rosa Araújo.

         É verdade, dez anos depois, os nossos caminhos voltavam a cruzar-     -se, embora Matilde Rosa Araújo não me identificasse com aquele jovem professor que, uma dezena de anos atrás, a ouvira embevecido falar das crianças.

         Anos depois, ouvi Matilde Rosa Araújo na televisão, falar sobre a honra que era terem dado o seu nome a uma Escola.

         Mais anos se passaram até ao dia seis de Julho de 2010, quando soube do seu falecimento, numa reunião de leitores da Biblioteca de Carnaxide.

Os livros, sempre os livros! Eles marcaram a minha vida, bem como os escritores que os escreveram como, a inesquecível Matilde Rosa Araújo!

publicado por cempalavras às 00:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. ...

. DIÁRIO IRREGULAR

. ORAÇÃO A DEUS, de VOLTAIR...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2012

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds