Quarta-feira, 25 de Dezembro de 2013

...

POEMA DE JOSÉ LANÇA-COELHO

 

CONTEMPLANDO

 

O balir do rebanho

é tão antigo, como

o sentir da minha alma.

 

O gorjeio dos pássaros

(pre)enche o meu respirar

com o auxílio do sol.

 

O latir dos cães,

é o sangue a escorrer

pelas minhas veias.

 

No milenar passar dos dias,

ouço a erva brotar da terra,

que um dia me há-de cobrir.

 

Na Natureza nunca há morte,

apenas mudança de estado,

se hoje sou carne corruptível,

amanhã serei, talvez,

árvore para regar.

 

 

 

 

publicado por cempalavras às 18:37
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. ...

. DIÁRIO IRREGULAR

. ORAÇÃO A DEUS, de VOLTAIR...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2012

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds