Sexta-feira, 27 de Abril de 2007

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

COIMBRA, 27 DE MAIO DE 1987

     Portugal suspenso dum jogo de futebol. É o máximo a que pode chegar a tensão nacional. Medularmente desinteressados do nosso destino colectivo, só atentos a um egoísta quotidiano pessoal, satisfazemos as obrigações gregárias de sonho e acção apaixonando-nos momentaneamente por um mero resultado desportivo. Como não nos é possível  esquecer inteiramente que fazemos parte de uma comunidade, e que a nossa justificação também depende do que ela for e fizer, sofismamos os seus valores. Amanhã, se ganharmos hoje, toda a mediocridade nacional, que obscuramente nos mortifica, estará redimida. Seremos os melhores do mundo por alguns dias.
  MIGUEL TORGA, Diário XV, Coimbra, 1995, p.  1477.
publicado por cempalavras às 17:57
link do post | comentar | favorito

2007 ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

S. MARTINHO DE ANTA, 26 DE ABRIL DE 1985

GLÓRIA

                                                       Depois do inverno, morte figurada,
                                                       A primavera, uma assunção de flores.
                                                      A vida
                                                      Renascida
                                                      E celebrada
                                                      Num festival de pétalas e cores.
                   MIGUEL TORGA, Diário XIV, Coimbra, 1995, p.1445
publicado por cempalavras às 16:37
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

COIMBRA, 25 DE ABRIL DE 1974

     GOLPE MILITAR. ASSIM EU ACREDITASSE NOS MILITARES. FORAM ELES QUE, DURANTE OS ÚLTIMOS MACERADOS CINQUENTA ANOS PÁTRIOS, NOS PRENDERAM, NOS CENSURARAM, NOS APREENDERAM E ASSEGURARAM COM AS BAIONETAS O PODER À TIRANIA. QUEM PODERÁ ESQUECÊ-LO? MAS PRONTO: DE QUALQUER MANEIRA, É UM PASSO. OXALÁ NÃO SEJA DURADOIRAMENTE DE PARADA.
  MIGUEL TORGA, Diário XII, COIMBRA, 1995, P. 1174.
publicado por cempalavras às 16:25
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

COIMBRA, 24 DE ABRIL DE 1951

OFERENDA

 

                                               Menina que não lês o meu poema
                                               Mas que tens a pureza que nele canto,
                                               Vê na balança dos meus olhos quanto
                                               Pesa a ternura humana que te dou:
                                              Ponho nas tuas mãos ingénuas de criança
                                             Toda a herança
                                             Que da morte da vida me ficou.
                    MIGUEL TORGA, Diário VI, Coimbra,3ª ed., 1978, p. 31.
publicado por cempalavras às 16:18
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

COIMBRA 23 DE ABRIL DE 1960

     Já não consigo reconhecer a minha fisionomia de ontem. É como se durante três dias tivesse usado um rosto clandestino.
          MIGUEL TORGA, Diário IX, COIMBRA, 1995, p. 858.
publicado por cempalavras às 16:12
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

COIMBRA, 22 DE ABRIL DE 1955

 

POEMA MELANCÓLICO

A NÃO SEI QUE MULHER

 

                                               Dei-te os dias, as horas e os minutos
                                               Destes anos de vida que passaram;
                                               Nos meus versos ficaram
                                               Imagens que são máscaras anónimas
                                               Do teu rosto proibido;
                                               A fome insatisfeita que senti
                                               Era de ti,
                                               Fome do instinto que não foi ouvido.
                                               Agora retrocedo, leio os versos,
                                               Conto as desilusões no rol do coração,
                                                Recordo o pesadelo dos desejos,
                                               Olho o deserto humano desolado,
                                               E pergunto porquê, por que razão
                                               Nas dunas do teu peito o vento passa
                                               Sem tropeçar na graça
                                              Do mais leve sinal da minha mão.
                       MIGUEL TORGA, Diário VII, Coimbra, 3ª ed. rev. 1983, p. 183.
publicado por cempalavras às 16:01
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

COIMBRA, 21 DE ABRIL DE 1949

 

VAGABUNDAGEM

 

                                                                     Já me servia ser
                                                                     Marinheiro num rio.
                                                                     Pilotar um navio
                                                                     De trazer lenha de Penacova...
                                                                     Ter uma vela
                                                                     Nesta aguarela
                                                                     Que se renova.
                                  MIGUEL TORGA, Diário V, 3ª ed. rev., Coimbra, 1974, p.12. 
publicado por cempalavras às 15:51
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

COIMBRA, 20 DE ABRIL DE 1988

LEGADO

                                               Já não digo a palavra que te prometi.
                                               Não há mais tempo, vai anoitecer.
                                               Ouve-a, pois, no silêncio que te deixo
                                               Como herança.
                                               Nele, pulsam todos os versos
                                               De que gostares,
                                               Meus ou doutro poeta, não importa.
                                               O que é preciso é que não esteja morta
                                               No teu coração
                                               A pungente saudade
                                               Das horas que tivemos.
                                               Horas de eternidade,
                                               Se souberes recordá-las como as vivemos.
                  MIGUEL TORGA, Diário XV, Coimbra, 1995, p. 1520.   
publicado por cempalavras às 23:38
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Abril de 2007

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

COIMBRA, 19 DE ABRIL DE 1991

FOLHINHA

                                       Vão decorrendo as horas de amargura
                                       Iguais no desespero e na desesperança.
                                       Deixam na alma o luto da fuligem
                                       Nas chaminés onde o passado ardeu.
                                      Chegou a primavera insidiosamente,
                                      Mas, mal apetecido,
                                      O sabor temporão de cada fruto
                                      Não dá consolação ao paladar.
                                      A sombra do ocaso adivinhado
                                     Tolda o brilho dos gestos,
                                     E os versos não condizem com a letra
                                     Da inspiração.
                                     O mundo envelheceu nos meus sentidos.
                                     E só por ele o amei,
                                    Quando, iludidos,
                                    Mo revelaram como ainda o sei.
             MIGUEL TORGA, Diário XVI, Coimbra, 1995, p. 1615.
publicado por cempalavras às 22:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COMERMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

S. MARTINHO DE ANTA, 18 DE ABRIL DE 1962

INSTRUÇÃO PRIMÁRIA

                                            Não saibas: imagina...
                                            Deixa falar o mestre, e devaneia...
                                            A velhice é que sabe, e apenas sabe
                                            Que o mar não cabe
                                            Na poça que a inocência abre na areia.
                                           Sonha!
                                           Inventa um alfabeto
                                           De ilusões...
                                           Um a-bê-cê secreto
                                           Que soletres à margem das lições...
                                           Vou pela janela
                                           De encontro a qualquer sol que te sorria!
                                           Asas? Não são precisas:
                                           Vais ao colo das brisas,
                                           Aias da fantasia...
             MIGUEL TORGA, Diário IX, Coimbra, 1995, p. 904.
 
publicado por cempalavras às 21:42
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. DIÁRIO IRREGULAR

. ...

. DIÁRIO IRREGULAR

. ORAÇÃO A DEUS, de VOLTAIR...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Agosto 2018

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2012

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds