Quinta-feira, 31 de Maio de 2007

2007 - ANO MIGUEL TORGA

Outeiro, Monsaraz, 31 de Maio de 1986

MENIR

                                                                 Salve, falo sagrado,

                                                                 Erecto na planura

                                                                 Ajoelhada!

                                                                 Quente e alada

                                                                 Tesura

                                                                 De granito,

                                                                 Que, da terra emprenhada,

                                                                 Emprenhas o infinito!

 

                   MIGUEL TORGA, Diário XIV, Coimbra, 1995, p. 1461.

 

publicado por cempalavras às 22:48
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 30 DE MAIO DE 1968

AGENDA

                                                                Folheio a vida
                                                                Num calendário velho.
                                                                Dias riscados, como contas pagas.
                                                                Domingos de repouso,
                                                                Segundas de trabalho,
                                                                Sábados de cansaço.
                                                                Sem nenhum sentido.
                                                                No abismo do nada.
                                                                O nada, apenas.
                                                                Quem sofreu nestas páginas vazias,
                                                                Tão frias,
                                                                Tão serenas?
                     MIGUEL TORGA, Diário X, Coimbra, 1995, p. 1034.
publicado por cempalavras às 22:20
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 30 DE MAIO DE 1952

QUEIXA

                                            Nada me cai do céu. Nem um poema!
                                            Tudo me custa um dia de lavoira.
                                            A velha bruxa, a Moira,
                                            Viu-me sempre com olhos de megera ...
                                           Galeriano desde o nascimento,
                                           Compro a não sei que dono da galera
                                           Os próprios versos em que me lamento.
                 MIGUEL TORGA, Diário VI, Coimbra, 3ª ed., 1978, p. 91.
publicado por cempalavras às 22:09
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 29 DE MAIO DE 1950

CLARIDADE POSSÍVEL

                                               Desenhei a nanquim a minha estrela.
                                               Deve ser negro o traço que limita,
                                               Na grande labareda, a pequenina chama
                                               De cada um.
                                               Pétala da rosa universal,
                                               Ninguém a vê, sequer.
                                               Mas é ela que eu tenho e me conduz
                                               Através desta noite desmedida
                                              Onde a luz
                                              Foi brutalmente interrompida.
         MIGUEL TORGA, Diário V, Coimbrfa, 3ª ed. rev., 1974, p. 93. 
publicado por cempalavras às 21:58
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 28 DE MAIO DE 1952

EXORTAÇÃO

                                             Musa, faz-me cantar!
                                             Fura-me os olhos, se preciso for.
                                             Vadio rouxinol encarcerado,
                                             Não me deixes calado
                                             Aos ferros verticais da minha dor.
                                            Força-me o desespero emudecido
                                            E solta o meu protesto em melodia.
                                            Noite é já neste mundo anoitecido
                                            Onde só tem sentido
                                            A luz secreta que nos alumia.
                                           Obriga-me a sonhar outra floresta
                                           De homens em liberdade.
                                           Aves na sua festa,
                                           Que ninguém prende, que ninguém molesta
                                           Com as fronteiras de nenhuma grade.
           MIGUEL TORGA, Diário VI, Coimbra, 3ª ed., 1978, p. 88
publicado por cempalavras às 21:30
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 27 de Maio de 1977

ALVORADA

                                                          Foi tudo simples: aconteceu.
                                                          O dia amanheceu,
                                                          Acordei,
                                                          E reparei
                                                          No milagre concreto de viver.
                                                          E cantei
                                                          Como um galo feliz.
                                                          O que esse canto diz
                                                          É que não sei.
          MIGUEL TORGA, Diário XII, Coimbra, 1995, p.  1240.
publicado por cempalavras às 20:15
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

Moçâmedes, 26 de Maio de 1973

     O deserto ainda, mas agora palmilhado, rodado, sobrevoado. Areia, areia, areia, e milagres geométricos do vento, milagres pictóricos da luz, milagres musicais do silêncio. (...)
         MIGUEL TORGA, Diário XII, Coimbra, 1995, p. 1153
publicado por cempalavras às 20:04
link do post | comentar | favorito

...

MOÇÂMEDES, 25 DE Maio de 1973

     O deserto abordado. A terra a transformar-se progressivamente em negativo. O reino mineral degradado, e o vegetal e o animal ainda a teimarem, a reduzirem as exigências, espalmados numa folha coriácea, aguçados num pico, endurecidos num casco. (...)
       MIGUEL TORGA, Diário XII, Coimbra, 19995, p. 1153.
publicado por cempalavras às 19:54
link do post | comentar | favorito

1º centenário do nascimento de MIGUEL TORGA

Lobito, 24 de Maio de 1973 - Quatro instantâneos: a aridez dos montes circundantes, Camões entronizado num pedestal, o forte de Catumbela e o empório comercial de Cassequel. A terra, outrora coberta de vegetação, esterilizada pela incompetência sanitária que incendiou o mato para debelar a doença do sono; o épico a enfunar o peito heróico diante do analfabetismo indígena; a força de ocupação fortificada e celebrada; e a exploração colonial com as letras todas.
MIGUEL TORGA, Diário XII, Coimbra, 1995, p. 1152.
publicado por cempalavras às 19:38
link do post | comentar | favorito

2007 -ANO MIGUEL TORGA

COMEMORAÇÃO DO 1º CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO POETA

SANTO ANTÓNIO DO ZAIRE, 23 DE MAIO DE 1973

DIOGO CÃO

                                                 A pura glória tem
                                                 A humilde sigeleza do teu nome.
                                                 E cresce eternamente,
                                                 Como um caule imortal,
                                                 No fuste do padrão
                                                 Que a tua inquietação
                                                 Ergueu
                                                 Nestes confins do mundo onde chegou.
                                                 Limpo brasão de quem só descobriu
                                                 E nada conquistou.
               MIGUEL TORGA, Diário XII, Coimbra, 1995, p. 1152.
publicado por cempalavras às 19:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. DIÁRIO IRREGULAR

. ...

. DIÁRIO IRREGULAR

. ORAÇÃO A DEUS, de VOLTAIR...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Agosto 2018

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2012

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds