Terça-feira, 26 de Junho de 2007

COIMBRA, 8 DE JUNHO DE 1992

     Desfiz-me do consultório. Mil circunstâncias adversas conjugaram-se encarniçadamente nesse sentido. E adeus, meu velho reduto, onde durante tantos anos lutei como homem, médico e poeta. Ofereci o material cirúrgico ao hospital da Misericórdia em que durante anos operei, e o mobiliário à Junta de Freguesia de S. Martinho. E fiquei naquelas salas vazias vazio como elas. Sem passado, sem presente e sem futuro, com a minha própria vida abolida no tempo. À medida que os carregadores iam retirando o espólio, tinha a sensação de que estava a ser descarnado, a tornar-me humanamente espectral. No fim, estonteado, com o chão a fugir--me debaixo dos pés, sem um banco sequer para me sentar, ainda o telefone tocou. Do lado de lá do fio pediam-me que juntasse aos despojos a tabuleta. Respondi que sim, que ia ser arrancada e seguiria. E perguntei, de voz estrangulada, se queriam que mandasse também o meu cadáver
     MIGUEL TORGA, Diário XVI, Coimbra, 1995, pp.1644-5.
publicado por cempalavras às 00:24
link do post | comentar | favorito

COIMBRA, 7 DE JUNHO DE 1992

MEA CULPA

                                               Vida!
                                              Como eu te quero
                                              Agora que te sei perdida!
                                              Foste a minha riqueza
                                              Desbaratada.
                                              Em vez de te poupar,
                                              Gastei-te sem saber o que fazia.
                                              E não vivi.
                                              Morri
                                              Em cada hora cega que vivia.
                                              São assim os humanos.
                                              Temos quando não temos.
                                              Quando já não podemos
                                              Subir onde subimos
                                              E onde nunca estivemos.
                                             Triste, já nem aos deuses
                                             Peço remissão
                                             Do nefando pecado
                                             De, em tantos anos de duração,
                                             Ter durado
                                             A ignorar em mim o meu condão
                                            De milagre encarnado.
                 MIGUEL TORGA, Diário XVI, Coimbra, 1995, p. 1644.
publicado por cempalavras às 00:02
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

...

DA MEMÓRIA …JOSÉ LANÇA-COELHO

 

TINTIN, MEU HERÓI

 

            Hergé, o ‘pai’ de Tintin, punha o seu filho, e o seu inseparável cão Milú, em aventuras extraordinárias, que eram complementadas com os impagáveis gémeos Dupont, as estrambólicas invenções do Professor Tournesol, que mais tarde o compararia com o meu mestre Jules Verne – ambos foram à Lua - , e, o carismático capitão Hadock, e que eram vistas, não lidas, por mim, pelo meu irmão e por todos os amigos que faziam parte do saudoso clube de futebol, lá da rua.

            Andava eu pelos nove anos e os outros pelos sete. Nenhum de nós aprendera ainda a língua de Voltaire. Então, como não percebíamos uma palavra de francês, abríamos o livro mais recente do nosso herói – cada um de nós comprava o seu que depois compartilhávamos – e punhamo-nos a adivinhar o que cada um dos personagens dizia no primeiro quadradinho (só muitos anos mais tarde vim a saber que os quadradinhos na Banda Desenhada tinham o nome científico de vinheta)

            A partir dos bonecos, inventávamos uma história que, na nossa imaginação, podia não coincidir com as palavras dos personagens de Hergé, mas, quando chegávamos às partes cómicas, a hilaridade que Hergé pretendia transmitir aos seus leitores, eram compartilhadas por um grupo de crianças, totalmente reduzidas à força das imagens e das expressivas onomatopeias que, não deixavam qualquer dúvida, sobre o que estava a acontecer.

            O segundo irmão Dupont a repetir o que o primeiro dissera, mas precedido das palavras, “Eu diria mais”.

            A impulsividade do capitão Hadock, quando estava furioso, - e não eram poucas as vezes -, ‘com os mil raios’, representados por montes de estrelas, que lhe saíam da boca, onde estava um cachimbo, cujo combustível consumido ainda não era proscrito como actualmente, pois a ciência ainda não descobrira os verdadeiros malefícios do tabaco.

            Tintin e Milú, na sua simplicidade encarnada por um rapaz um pouco mais velho que nós, com quem nos identificávamos em todas as aventuras, e um cão que era igualzinho ao da Aninhas, a rapariga do prédio da frente, que já andava no Liceu – e sabia francês - e por quem todos nós estávamos apaixonados.

            Mais tarde, quando descobri a poesia e, dentro desta, “os meus maiores”, mal sabia que, um deles, Miguel Torga,  nascera no mesmo ano do criador do meu herói preferido na Banda Desenhada.

            Na verdade, o poeta português, cujo nome é Adolfo Correia da Rocha, pseudónimo Miguel Torga, nasceu a 12 de Agosto de 1907, em S. Martinho de Anta, enquanto Hergé, pseudónimo de Georges Prosper Remi, viu a luz do dia a 22 de Maio de 1907, em Bruxelas, cidade belga onde veio a falecer, a 3 de Março de 1983.

            Os livros de Hergé/Tintin estão traduzidos em mais de 40 línguas.

publicado por cempalavras às 23:57
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 6 DE JUNHO DE 1948

     Centenário do nascimento de Gomes Leal. Uma data luminosa e triste, que deveria ser celebrada com lisura e devoção. Mas a nossa provinciana mesquinhez mete o nariz em tudo, e a túnica do poeta, como a de Cristo, vai ser dividida pelos centuriões. Uns querem fazer dela uma opa, outros uma bandeira vermelha. De forma que, mais uma vez, a nação terá diante dos olhos um Gomes Leal deturpado, diminuído e falso. (...)
           MIGUEL TORGA, Diário IV, Coimbra, 3ª ed., 1973, pp. 103-6.
publicado por cempalavras às 23:24
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

A voar por cima de Samarcanda, 5 de Junho de 1987

ERRÂNCIA

                                               A voar por cima de Samarcanda,
                                               Aceno à súbita memória
                                               De meus avós almocreves
                                               Que, por acaso, nunca aqui passaram
                                               Quando iam ao Porto
                                               Em machos guizalheiros,
                                               E onde comiam tripas,
                                               A buscar as especiarias de lá.
                                               De primeira classe, num avião francês,
                                               A enjoar champanhe e caviar,
                                               Vou a Macau falar de Camões.
                                               Em nome dele, e por eles,
                                               Obreiros dum império de ilusões,
                                               Vou, como novo andarilho,
                                               Garantir ao futuro que Portugal
                                               Terá sempre o tamanho universal
                                               Da infinda inquietação de cada filho.
                        MIGUEL TORGA, Diário XV, Coimbra, 1995, p. 1479.
publicado por cempalavras às 23:04
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 4 DE JUNHO DE 1949

REIVINDICAÇÃO

                                                          Inspiração
                                                          Ou não,
                                                          Dá-me o que já é meu.
                                                          Entrega-me a canção
                                                          Que te dei a guardar.
                                                          Ou cuidarás que é teu
                                                          O lume da fogueira
                                                          Que acendi?
                                                          Eu já era poeta
                                                          Quando te conheci.
                      MIGUEL TORGA, Diário V, Coimbra, 3ª ed. rev., 1974, p. 25.
publicado por cempalavras às 22:35
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 3 DE JUNHO DE 1988

AMOR

                                                 Enches a noite e o sonho.
                                                 E, quando abre o dia,
                                                 Um fresco orvalho de melancolia
                                                 Humedece a memória.
                                                 Dorme quem esquece a vida
                                                 Longas horas,
                                                 E não sabe que moras
                                                 Neste mundo e em todos os momentos,
                                                 E acorda vazio
                                                 E recomeça
                                                 Com pressa
                                                 A caminhada,
                                                Sem nunca te encontrar,
                                                Sem nunca te lembrar.
                        MIGUEL TORGA, Diário XV, Coimbra, 1995, p. 1530.
publicado por cempalavras às 22:21
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 2 DE JUNHO DE 1987

REPTO

 

                                                          Aceito o desafio.
                                                         Que poeta se nega
                                                         A um aceno do acaso?
                                                         Tenho o prazo
                                                         Acabado,
                                                        O que vier é ganho.
                                                        Na lonjura
                                                        Da última aventura
                                                        É que a alma revela o seu tamanho.
                                                       Extremo Oriente da inquietação,
                                                       Lá vou!
                                                       A quê, não sei,
                                                      Mas lá descobrirei
                                                      Que razão me levou.
                                                      Lá, onde tantos que me precederam,
                                                      Se perderam,
                                                      E aprenderam, na perdição,
                                                      Que só é verdadeiro português
                                                      Quem, um dia, a negar a humana pequenez,
                                                      Se inventa e se procura
                                                      Nas brumas do mar largo e da loucura.
               MIGUEL TORGA, Diário XV, Coimbra, 1995, p. 1478.
publicado por cempalavras às 22:04
link do post | comentar | favorito

LIVROS & LIVROS

 

OS LIVROS DA MINHA VIDA

                                    

( De  A  a  C)

 

Alguém escreveu que, quando se chega aos 50 anos, surge o tempo de fazer balanços sobre os diversos sectores da nossa vida. Um deles é sobre o que lemos. Autores nacionais e estrangeiros, uns comprados, que ainda permanecem nas estantes da nossa biblioteca particular, outros emprestados, por amigos ou bibliotecas que se frequentam ou frequentaram.

            Os livros, como os discos, são os meus objectos sagrados, ou por mim sacralizados, que me fazem recordar episódios-fragmentos da minha existência e que, têm sempre qualquer evento, de carácter afectivo ligado a eles.

            Em casa, estes companheiros de todas as horas, são mais de dois mil. Depois há os outros que li por empréstimo, alguns deles tão saborosos e inesquecíveis que, mesmo depois de os ler, tive de os comprar para os ter junto a mim até à eternidade, como exemplo do que acabo de afirmar, saltam-me da memória, imediatamente, 1984 de Orwell e Admirável Mundo Novo de Huxley.

Normalmente, as listas que os jornais literários pedem aos escritores são forçosamente sintéticas, não ultrapassando a dezena de títulos, tanto entre os nacionais como os relativos aos estrangeiros. Numa primeira digressão pela minha memória, penso que as minhas listas no concernente aos dois tipos de escritores, ultrapassaria já a dezena, mas como não me quero adiantar, irei servir-me da lista que tenho inscrita na pasta Biblioteca deste mesmo computador onde escrevo presentemente. Se ultrapassar a dezena de títulos em cada uma das listas, como espero que aconteça, tentarei seleccionar  - de entre estes, mais os que me emprestaram, pois tenho recensões feitas de todos estes últimos -, os dez autores mais significativos, podendo em cada um desses escritores, citar dois ou mais livros da sua autoria. Por exemplo, ainda sem ver a lista, lembro-me imediatamente, de alguns autores primordiais, de que cito os nomes e algumas obras. Começando pela prata da casa, surgem-me imediatamente na memória, Eça (todos os seus livros, em especial, A Ilustre Casa de Ramires, A Correspondência de Fradique Mendes e o conto filosófico José Matias) Torga (os 16 volumes do Diário, A Criação do Mundo, e  O Senhor Ventura), Saramago (Levantado do Chão, O Evangelho Segundo Jesus Cristo, e, A Morte de Ricardo Reis), Pessoa (Mensagem, O Banqueiro Anarquista, Poesia de Alberto Caeiro, Poesia de Álvaro de Campos, O Livro do Desassossego de Bernardo Soares), Álvaro Guerra (Café República, Café Central, Café 25 de Abril, Crimes Imperfeitos), Jorge de Sena (Sinais de Fogo). Só aqui já conto 34 livros!

            Passando aos autores estrangeiros, vêm-me desde logo, transportados pela irreversível corrente do pensamento de William James a que associo o fragmento filosófico do pré-socrático Heraclito, “de que não nos podemos lavar duas vezes na água do mesmo rio”, os seguintes autores: Borges (O Aleph, Ficções, O Livro da Areia), Eco (O Nome da Rosa, A Misteriosa Chama da Rainha Loana), Auster  ( Trilogia de Nova Iorque, Mr. Vertigo). Aqui conto 7 obras-primas!

            Vejamos, então, a lista que se encontra por ordem alfabética:

A

Manuel Alegre (Alma; Rafael); Jorge Amado ( Mar Morto);  António Lobo Antunes (Os Cus de Judas; Livro de Crónicas); Manuel Antunes ( Repensar Portugal; Grandes Contemporâneos; Do Espírito e do Tempo); Aragon (A Semana Santa); Aristóteles (Tratado de Política); Raymond Aron (Ensaio sobre as Liberdades); Arrabal ( Baal Babilónia); Antonin Artaud (Heliogabalo ou o Anarquista Coroado); Machado de Assis ( Don Casmurro); Marco Aurélio ( Pensamentos para mim Próprio);

 

 

B

 Gaston Bachelard (A Psicanálise do Fogo); Francis Bacon (Ensaios); Gonzallo Torrente Ballester (Crónica do Rei Pasmado); Roland Barthes (O Óbvio e o Obtuso); Simone de Beauvoir ( O Existencialismo e a Sabedoria das Nações); Samuel Beckett (Textos para Nada); Saul Bellow (Ravelstein); Nicolau Berdiaeff (Cinco Meditações sobre a Existência); Henri Bergson (O Riso); Norberto Bobbio (Autobiografia); Bocage (Poesias); Boccacio (Decameron); Heinrich Boll (Contos Irónicos); Afonso Botelho (O Hábito de Morrer); Fernanda Botelho (As Contadores de Histórias); Charles Boxer ( O Império Colonial Português 1415-1825); Nuno Bragança ( A Noite e o Riso); Camilo Castelo Branco ( O Olho de Vidro; Memórias do Cárcere); Raul Brandão (Memórias); Joseph Brodsky ( Marca de Água); Giordano Bruno (O Homem de Fogo; Acerca do Infinito, do Universo e dos Mundos); André Bareau (Biografia de Buda); Victor Buescu (Antologia Grego-Latina, apresentação de Manuel Antunes ); Samuel Butler (Erewhon);

C

 Felícia Cabrita (As Mulheres de Salazar); Erskine Caldwell (Ilha de Verão); Ítalo Calvino (O Barão Trepador); Joracy Camargo (Deus lhe Pague); Manuel Severim de Faria (A Vida de Camões); Fernando Campos (A Casa do Pó); Albert Camus (A Peste); Elias Canetti ( As Vozes de Marraquexe); Thomas Carlyle (Os Heróis) ; Mário de Sá-Carneiro ( A Confissão de Lúcio); Alexis Carrel (O Homem esse Desconhecido); Padre Apolinário Casimiro (Para a História da Revolução do Minho 1846 ou Maria da Fonte); Ernest Cassirer ( Ensaio sobre o Homem); Miguel Cervantes (D. Quixote da Mancha; Novelas Exemplares); Mário Cesariny (Jornal do Gato); Teilhard de Chardin (Biografia); Robert Charroux ( História Desconhecida dos Homens); Mário Cláudio (Trilogia da Mão); Catherine Clément ( A Senhora; A Rameira do Diabo); Jacinto do Prado Coelho (A Educação do Sentimento Poético); Trindade Coelho (In Illo Tempore); Coetzee (A Vida e o Tempo de Michael K.); Leonardo Coimbra ( Jesus; S. Francisco de Assis); Augusto Comte (A Importância da Filosofia Positivista); John Banville (Doutor Copérnico); Natália Correia (O Encoberto); Jaime Cortesão ( A Política de Sigilo nos Descobrimentos; L’Expansion dês Portugais dans l’Histoire  de la Civilization); Diogo do Couto (Da Ásia – Década Nona); John Cruickshank (El Novelista Filosofo); Eva Curie (Madame Curie); Ramado Curto (O Preto no Branco; Do Diário de José Mário).

 

 (continua no próximo número:  “OS LIVROS DA MINHA VIDA – De  D  a  F)

 

 

JOSÉ LANÇA-COELHO

publicado por cempalavras às 21:58
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

Coimbra, 1 de Junho de 1989

A  ESFINGE

 

                                                  Sei a resposta inútil
                                                  Que também vou dar:
                                                  O enigma sou eu.
                                                  A criança, o adulto e o ancião
                                                 Que, sucessivamente,
                                                 Sem perder as feições de cada um,
                                                 Atónito, fui sendo pela vida fora.
                                                 Sempre a sonhar-me, candidamente,
                                                 Eterno e necessário
                                                 À cósmica harmonia,
                                                 E dia a dia
                                                 Mais triste e consciente
                                                 Que de modo nenhum o monstro desumano
                                                 Me pouparia,
                                                 Quando chegasse a hora
                                                 Do nosso encontro.
                                                 Quem se decifra
                                                 Dita a própria sentença.
                                                 No caminho de Tebas principia a morte.
                   MIGUEL TORGA, Diário XV, Coimbra, 1995, p. 1560.
                                               
                        
                                                 
publicado por cempalavras às 21:25
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. ...

. DIÁRIO IRREGULAR

. ORAÇÃO A DEUS, de VOLTAIR...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2012

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds