Terça-feira, 17 de Julho de 2007

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 26 DE JUNHO DE 1966

DESACERTO

                                           Ternura em movimento,
                                            Vamos os dois - o sol e a sombra juntos,

                                            O futuro e o passado no presente.

                                            O que te digo é urgente;

                                            O que tu me respondes não tem pressa.

                                            A minha voz acaba na vertente

                                            Onde a tua começa.

 

 

                                            Apertamos as mãos enamoradas.

                                            Uma quente, outra fria...

                                            E sorrimos às flores que no caminho

                                            Nos olham com seus olhos perfumados.

                                            Tu, de pura alegria;

                                            Eu, de melancolia...

                                            Um a cuidar, e o outro sem cuidados.

 

 

                                            Canta um ribeiro ao lado.

                                            Ambos o ouvimos, mas diversamente.

                                            O que em ti é promessa de frescura

                                            À terra da semente semeada,

                                            Em mim é já certeza de secura

                                            De raiz arrancada.

 

 

 

                                          Almas amantes e desencontradas

                                          Na breve conjunção

                                          Que tiveram na vida.

                                          Levo de ti um halo de pureza,

                                          Deixo-te a inquietação duma lembrança...

                                          E é inútil pedir mais à natureza,

                                          Surda ao meu desespero e à tua confiança.

 

        MIGUEL TORGA, Diário X, Coimbra, 1995, p. 986.

publicado por cempalavras às 00:10
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Julho de 2007

2007 -ANO MIGUEL TORGA

LISBOA, HOSPITAL DE S. LUÍS, 25 DE JUNHO DE 1972

ORAÇÃO

                                                      Ondula, verde palmeira,
                                                      No pátio do hospital.
                                                      Nessa graça vegetal
                                                      Que o céu olha desatento.
                                                      Dá-me, através da janela
                                                      Desta cela
                                                      De sofrimento,
                                                      A certeza de que a vida
                                                      Continua
                                                      Menos soturna e dorida
                                                      Lá fora, ao vento da rua.
            MIGUEL TORGA, Diário XI, Coimbra, 1995, p. 1118.

 

publicado por cempalavras às 23:53
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 24 DE JUNHO DE 1949

ESTIAGEM LÍRICA

                                     O Mondego secou.
                                     Outro Camões agora que viesse,
                                     Tinha apenas areia
                                     Com que apagar a tinta da epopeia
                                     Que escrevesse.
                                     Pobre da linda Inês já sem ervinhas
                                     Onde pastar a lírica saudade!
                                     Tão verdade
                                     É morrer neste mundo a própria morte...
                                     Nem ao menos a água que bebia!
                                     Vejam os negros fados
                                     Da sorte
                                     E da Poesia...
     MIGUEL TORGA, Diário V, Coimbra, 3ª ed. rev., 1974, p. 28.
publicado por cempalavras às 23:33
link do post | comentar | favorito

...

BERLENGAS, 23 de JUNHO DE 1968 -

     Os absurdos que criamos por nossas próprias mãos! Nomeamos as coisas, e elas escondem o rosto. Vim aqui várias vezes, e tanto olhei, tanto perscrutei, tanto furei, que lá consegui circunscrever na inquietante dispersão da luz a apaziguadora nitidez de uma imagem. E, naturalmente, fixei-a no papel. Mas o que foste fazer! Voltei agora, passados anos, e sinto-me preso na ratoeira que armei. Alargo as pupilas, alargo os sentidos, alargo o entendimento. E nada. Entalado nos dententes de ferro expressivo, vejo as minhas Berlengas. E não eram elas que procurava. Eram outras, que não vi.

 

MIGUEL TORGA, Diário X, Coimbra, 1995, pp. 1035-6.

publicado por cempalavras às 23:29
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 22 DE JUNHO DE 1977

ESPERANÇA

                                               Canto.

                                               Mas o meu canto é triste.

                                               Não sou capaz de nenhum outro, agora.

                                               Em cada verso chora

                                               Uma ilusão,

                                               Tolhida na amplidão

                                               Que lhe sonhei...

                                               Felizmente que sei

                                               Cantar sem pressa.

                                               Que sei recomeçar...

                                               Que sei que há uma promessa

                                               No acto de cantar...

 

                 MIGUEL TORGA, Diário XII, Coimbra, 1995, p. 1248.

 

publicado por cempalavras às 22:42
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

DA MEMÓRIA… JOSÉ LANÇA-COELHO

BEATLES VS. STONES

 

            Agora que os Rolling Stones vêm a Portugal pela 3ª vez, e que o melhor álbum da música pop de todos tempos faz quarenta anos – refiro-me como é óbvio ao ‘Sargent Pepper’s Lonely Hearts Club Band’ dos Beatles – deixem-me recordar alguns episódios da minha juventude, respeitantes a estes dois grupos.

            Antes de mais, a rivalidade inventada pelos media entre os dois grupos. No nosso país, ainda antes do confronto Beatles vs. Stones, por volta de 1963, houve a rivalidade Beatles vs. Shadows. Estes últimos eram um grupo sobretudo instrumental, a que numa fase mais tardia se juntou como vocalista Cliff Richard, há muitos anos a viver em Albufeira, onde tem uma quinta que, actualmente, produz vinho. Não havia qualquer rivalidade entre eles, os membros dos dois grupos eram até muito amigos, partilhando a mesma discoteca em Londres, e no Algarve, a mesma casa, uma vez que, além de Cliff Richard, outros dois elementos do grupo tinham casa nas imediações de Albufeira, onde passavam despercebidos entre a população. Aliás, foi na casa de um deles que, Paul McCartney se alojou com a namorada da altura, a segunda vez que esteve em Portugal, e que coincidiu com a escrita da música ‘Yesterday’ que, consta do Guiness Book como sendo a canção que, a nível mundial, mais vezes foi cantada por outros intérpretes e mais tempo foi radiodifundida. Portanto, não havia qualquer tipo de rivalidade entre Beatles e Shadows pois, até a mesma casa partilhavam quando necessário.

            Com os Stones, a rivalidade existente entre os dois expoentes da música pop britânica, passava-se mais ao nível dos fãs das duas bandas do que propriamente entre eles. Uma coisa que me surpreendeu, que tinha também embarcado nessa empolada rivalidade, foi aquando da 1ª emissão mundial de televisão, em que os Beatles apresentaram ao planeta Terra a música ‘All you need is Love’, ver entre os convidados que faziam o coro, Mick Jagger dos Stones, bem como na capa do melhor ‘LP’ da música Pop, o já citado ‘Sargent Pepper’s …’, um boneco de pano, em cuja camisola se pode ler ‘Wellcome The Rolling Stones’. Mais tarde, deparar-me-ia com outra parva rivalidade deste tipo na literatura portuguesa, entre Eça e Camilo, como se duas obras, subjectivas esteticamente como é qualquer obra de arte, pertencentes a estilos literários diferentes, respectivamente, Realismo e Romantismo, se pudessem comparar.

            A melhor resposta a estes falsos antagonismos foi dada por Ringo Star, o baterista dos Beatles, quando, a propósito de dois modos de vestir que se confrontavam em Inglaterra, isto é, os ‘Mods’ que  usavam um vestuário mais clássico e os ‘Rockers’ que vestiam mais desportivamente calças e blusões de ‘jeans’, lhe perguntaram, se ele era um ‘Mod’ ou um ‘Rocker’, e ele, fazendo a elisão das duas palavras, respondeu no seu estilo peculiar: «Sou um Mocker», que, em inglês, significa brincalhão!

            Como Ringo desdramatizou estas falsas polémicas, também eu, beatliano assumido, o fiz, quando o programa ‘Em Órbita’ do Rádio Clube Português, divulgou o “(I can’t get no) Satisfaction”  dos Stones. O início da música tinha qualquer coisa que, ainda hoje não tenho palavras para explicar, mas que me tocava na alma, aquecendo-a. Fui a correr à loja ‘Valentim de Carvalho’, na Rua Nova do Almada, ao Chiado e, comprei o disco. Era um ‘EP’, um vinil com 4 músicas que, mais tarde, me roubariam numa festa, e ouvi aquela música fascinante, no mínimo, vinte vezes seguidas, até a minha mãe, farta de ouvir sempre o mesmo, me chamou para jantar. Só mais tarde percebi a conotação sexual que emergia desta música.

publicado por cempalavras às 22:30
link do post | comentar | favorito

...

CARVALHELHOS, 21 DE JUNHO DE 1956

 

PASTOREIO

 

                                                Uma cabra montesa no pascigo;
                                                Fiel ao seu balido,
                                                Um fauno apaixonado;
                                                Entre os dois, um açude adormecido,
                                                Imagem do instinto represado.
                                       
                                                Corcunda como a vida,
                                                Uma ponte arqueada de suspiros
                                                A ligar as arribas do desejo;
                                                E um guarda ao passadiço, uma presença humana,
                                                - O pastor, a moral quotidiana...
            MIGUEL TORGA, Diário VIII, Coimbra, 3ª ed. rev., 1976, p. 39.
publicado por cempalavras às 22:28
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Julho de 2007

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 20 DE JUNHO DE 1993

ARMADILHA

                                           Vivo  preso nas malhas dos meus sonhos
                                           Desfeitos,
                                           A lembrá-los.
                                           E quanto mais esbracejo,
                                           Mais me enredo na trança
                                           Da ratoeira.
                                           É que todos eram a maneira
                                           Airosa
                                           De me salvar.
                                           E nenhum consegui realizar,
                                           Nem consigo  esquecer.
                                           Virados do avesso, são agora
                                           Uma negra masmorra
                                           De condenado.
                                           Até onde não pude!
                                           Até onde não sou!
                                           A que alturas celestes quis subir!
                                           A que lonjuras ir!
                                           E não subi, nem fui, nem certamente vou.
                    MIGUEL TORGA, Diário XVI, Coimbra, 1995, p. 1666.
publicado por cempalavras às 00:07
link do post | comentar | favorito

2007 - ANO MIGUEL TORGA

DA MEMÓRIA … JOSÉ LANÇA-COELHO

VIVA A ‘BRIOSA’

 

            A ‘Briosa’ é o nome pelo qual é conhecida a equipa de futebol da Associação Académica de Coimbra. Se soubessem quantas vezes esta equipa maravilhosa me safou, a mim e aos meus colegas de turma do 5º ano (o actual 9º) de apresentar os trabalhos de casa de Matemática, à segunda-feira…

            Eu explico. Por alturas de 1965/66, tive um professor de Matemática, que fez com que, eu e todos os meus colegas, gostássemos dessa disciplina. Como? De uma maneira muito simples. Relacionando-se connosco, como se fosse um irmão mais velho, ou mesmo um pai, falando dos mesmos assuntos que nós, abrindo de par em par o livro da sua vida e, contando-nos episódios da sua vasta experiência.

            O professor formara-se em Coimbra, vivera toda aquela vida sã das Repúblicas e tinha uma adoração, justificada, pela equipa da Académica. Digo justificada, porque naquele ano, a ‘Briosa’, tinha uma equipa fabulosa que, todos os domingos, dava aos 5 e aos 6 às outras equipas do Campeonato da 1ª Divisão ( a Bwinliga actual), ganhando mesmo aos três grandes. Até o Benfica de Eusébio, campeão de Portugal anos seguidos, apanhava grandes sustos no velho estádio do Calhabé.

            Nos tempos actuais, pode parecer incrível a quem segue o futebol português, como posso afirmar isto de uma equipa que, todos os anos, luta para não descer de divisão. Porém, a verdade é que, em meados dos anos 60, a Briosa tinha uma equipa que, jogando no sistema 4.2.4., possuía dois ‘pontas de lança’ goleadores, um, o célebre Artur Jorge que, jogou e treinou o Benfica, e levou o Porto a campeão da Europa, o outro, Ernesto, que veio para o Sporting. Os extremos eram os célebres irmãos Campos, o Mário e o Victor que, actualmente são conceituados médicos na Lusa Atenas e, só não jogavam na Selecção Nacional por, nos mesmos lugares, jogarem os benfiquistas bicampeões da Europa, José Augusto e Simões.

            Vivíamos o tempo cinzento da ditadura salazarista, com a televisão a preto e branco, de canal único, controlado pelo Poder, a dar ao domingo, depois de uma hora massacrante de fados, resumos de dois minutos, dos jogos mais importantes da jornada. Claro que, pelo que escrevi atrás, os jogos em que participava a ‘Briosa’ eram filmados, para mostrar os fabulosos golos que, aquela equipa maravilhosa, marcava todos os domingos. (Não posso precisar, mas creio que, desta equipa faziam ainda parte o Toni e o Rui Rodrigues que, depois se transferiram para o Benfica).

            À segunda-feira de manhã, quando entrávamos na aula de Matemática, com os famigerados trabalhos de casa por fazer, havia sempre um de nós que, perguntava ao professor quando ele entrava na sala: «Sr. Dr., ontem viu o resumo do jogo da Académica?».

            Não era preciso dizer mais nada, pois o mestre, com a sua pedagogia positiva, iria dar uma aula em que falaria da Vida, da Existência, vasto e profundo tema em que, também, se inseria a Matemática, mas onde estavam implícitas vertentes como o Desporto (as jogadas, os golos, os actuais e os antigos jogadores da Académica desde 1939, ano em que a ‘Briosa’ ganhou a primeira Taça de Portugal, tudo era comentado ao pormenor), a sã camaradagem das Repúblicas (as partidas que os estudantes faziam a colegas, professores, e a ‘civis’), a Literatura (foi ele que me deu a conhecer o In Illo Tempore de Trindade Coelho, com os seus episódios hilariantes, em especial, os do ‘Saraiva das Forças’, livro que, para mim, funcionou como uma iniciação àquilo que se aprende de bom no universo académico e universitário).

            Por tudo isto, fiquei a gostar da Académica, único clube que, durante a crise de 69, tinha a coragem de jogar com um fumo de luto, mostrando o descontentamento do povo português relativamente à política de opressão e de terror, que se viviam naqueles tempos.

publicado por cempalavras às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 10 de Julho de 2007

2007 - ANO MIGUEL TORGA

COIMBRA, 19 DE JUNHO DE 1946

A CIGANA

                                                                  Lia a sina a cada um
                                                                  Na palma de cada mão;
                                                                  Não desgraçava nenhum,
                                                                  Nem lhe tirava a ilusão.
                                                                   Toda a donzela paria,
                                                                   Todo o homem navegava;
                                                                   E nem a moça sofria,
                                                                   Nem o rapaz naufragava.
                                                                   Um amigo em cada linha,
                                                                   Um triunfo em cada dedo;
                                                                   Nos seus lábios ia e vinha
                                                                   A reserva dum segredo.
                                                                   Não se mostra uma paixão
                                                                   Tal e qual, à luz do dia;
                                                                   Cobre-se-lhe o coração
                                                                   Da rede duma ironia.
                                                                   Mas quem tem penas no peito,
                                                                   Entende acenos discretos;
                                                                   Sabe ficar satisfeito
                                                                   Com afagos indirectos.
                                                                    E em toda a grande praça
                                                                    A multidão que a enchia
                                                                    Vivia daquela graça
                                                                    E do bem que repartia.
                                                                   Porque nascera cigana,
                                                                   Sem fronteira no sorriso,
                                                                   A sua palavra humana
                                                                   Conhecia o paraíso.
                                                                   E ali, mulher, o mostrava
                                                                   A quem faminto, o pedia;
                                                                   A quem, crédulo o comprava
                                                                   Pelo preço que valia.
                        MIGUEL TORGA, Diário III, Coimbra, 3ª ed., 1973, pp. 175-6.
publicado por cempalavras às 23:05
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. DIÁRIO IRREGULAR

. ...

. DIÁRIO IRREGULAR

. ORAÇÃO A DEUS, de VOLTAIR...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Agosto 2018

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2012

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds